Menu de Cima

Carros conectados são extremamente vulneráveis

FireEye iSIGHT e Mandiant detectaram que sistemas de conectividade dos veículos são novo alvo de ataques dos hackers

Carros conectados são extremamente vulneráveisAtualmente, a maioria das funções veiculares, como direção, aceleração, frenagem, partida remota, e até mesmo abertura e fechamento das portas, são controlados por softwares integrados com atuação dentro e fora do automóvel. Estes softwares possuem milhões de linhas de códigos, as quais estão vulneráveis à atividade de cibercrimosos

De acordo com uma recente pesquisa realizada pela FireEye iSIGHT Intelligence em parceria com a Mandiant, empresa do Grupo FireEye, os fatores externos mais vulneráveis são: comunicação entre veículos, acesso às redes wi-fi, prevenção de colisões e sistema de monitoramento de pressão dos pneus (TPMS, sigla em inglês)

Internamente, os aspectos mais frágeis são: central de operação eletrônica (ECUS, sigla em inglês), acesso sem chave, diagnóstico de bordo (OBD), controle de temperatura e sistema de telecomunicações, formado pelo sistema de áudio, GPS, lista de contatos, navegador de internet e porta USB

A pesquisa também destaca as cinco principais ameaças aos proprietários de carros equipados com sistemas de conectividade e mais sensíveis aos ataques de hackers. São elas:

  • Acesso físico não autorizado ao veículo: ciberatacantes exploram brechas nas tecnologias de conectividade do veículo para obter a entrada não autorizada ao sistema;
  • Roubo de informações pessoais: a coleta de informações de identificação pessoal (PII, sigla em inglês), funciona como um vetor maior, visando obter informações mais específicas deste usuário, como destinos de viagens e acessar até suas movimentações financeiras;
  • Manipulação deliberada da operação: capacidade de sequestro remoto, quando agentes mal-intencionados passam a comandar os sistemas de controle de um veículo e podem, assertivamente, provocar uma colisão e possíveis ferimentos ao condutor e ocupantes do veículo;
  • Utilização de veículos como unidades de controle para apoiar atividades maliciosas: considera-se que as ameaças cibernéticas enxergam o automóvel como canal para ataques maliciosos;
  • Extorsão mediante infecção de ransomware: é o malware atual mais recorrente à ataques individuais visando o pagamento de resgate para obtenção dos dados roubados de volta. Estima-se que milhares de dólares possam ser pagos para recuperar o controle de um veículo infectado.

Conclusão

Com o aumento dos riscos aos proprietários de veículos conectados, as fabricantes de automóveis não só precisam garantir a segurança operacional tradicional, como também devem assegurar proteção às operações dos veículos e privacidade do motorista. Isto requer um entendimento mais profundo, ainda em estudo, no que tange à natureza das ameaças e vulnerabilidades em rápida evolução, bem como a construção de medidas de segurança proativa para minimizar as ameaças.

O relatório está em

https://www.fireeye.com/content/dam/fireeye-www/services/pdfs/connected-cars-the-open-road-for-hackers.pdf

0Shares